quarta-feira, agosto 31, 2011

Marquei um desencontro
Comigo mesmo
E não apareci!

E ficando onde estava
Sem buscar mais nada
Sem saída e sem chegada

Entrei por outras estradas
Encontrei o que não procurava
Cheguei denovo a mim


Luz da Chuva - aesthesis cotidiana (Videopoesia )

video

terça-feira, agosto 30, 2011

videopoesia

video
(clique para ampliar)

...

Se a voz do tempo tivesse gritado
Para nos espertar
Nos desapertar
Do sono da existência
Do feno da ignorância
Dos véus de ilusão...

Mas ela era movimento e contemplação
Pura e simples


E no templo do tempo
Havia um altar de pedras redondas
alisadas pelos atritos
que sofreram
Sulcadas pelos risos
Choradas pelos rios
Cunhadas por solidão

Quem soube ouvir a voz de uma pedra
Ouviu a voz do tempo

Porque sua voz é pura e simples

É completo silêncio
e resignação


...

segunda-feira, agosto 29, 2011



As palavras estão pousadas
nos galhos de uma árvore seca.

Aguardam prontas mas em silêncio
alguem que, desatento,
lhes façam revoar dalí

Fazendo surgir em seu voo
despretencioso

Alguma poesia.

...