sexta-feira, janeiro 26, 2007


Estamos vivos,presos na voz rouca do tempo.
Náufragos e pétricos,
ainda brincamos à beira do rio de esquecimento.

A memória, senhora da história,
nos observa
guardando em seu colo confuso
todos os nossos sonhos.

As lembranças ensaiam musgos
ao anoitecer de tudo.

Não há morte
Há outro modo de existir.

4 comentários:

Alceu A. Sperança disse...

Continue a manifestar essa excelente veia poética. A poesia sempre faz muito bem e não tem contra-indicação!

Luiz Alberto Machado disse...

Olá, excelente este seu espaço, parabens. Estarei indicando nas minhas páginas.
Beijabrações
www.luizalbertomachado.com.br

Warg disse...

cara os teu poemas são muito bons mesmo! e as pinturas então, sem comentarios!
show mesmo!!!!!!
abraço

naninha8 disse...

Kaibers..
como fiquei grata a receber o link destas fortes e gritantes escritas. Fico completamente grata...realmente.
Infelizmente não estou tendo acesso sempre, porém, sempre que tiver, passarei por aqui.
Obrigada.
Prazer,
e adicione-me no orkut.
Elaine
(Comu: Visão Poética)
até mais